Logo
facebook
twiter Google Plus YouTube Flickr
 
 
     

Magistrados do TJPA são capacitados em Rondônia


A Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (ENFAM) realizou nos últimos dias 27, 28 de fevereiro e 1º de março, o módulo 1 do Curso Formação de Formadores, na Escola da Magistratura do Estado de Rondônia (EMERON), na cidade de Porto Velho. Nove magistrados e uma servidora do TJPA participaram do curso que os capacitou para atuação na docência voltada ao contexto da magistratura.

Para o Diretor-Geral da Escola Superior da Magistratura do Estado do Pará, Desembargador Constantino Augusto Guerreiro, o enfoque prático dos cursos da Escola é importante. “É essencial que os magistrados do Tribunal de Justiça do Estado do Pará possam se capacitar para atuarem como docentes na ESM, trazendo o enfoque prático que os cursos necessitam alcançar de modo a facilitar o processo de ensino e aprendizagem necessários ao aprimoramento da prestação jurisdicional desejada para o Poder Judiciário”.

O ineditismo na oferta de dez vagas para o curso foi observado pelo Secretário-Geral, Aníbal Corrêa Pinheiro. “De forma inédita, a ENFAM oferta 10 vagas ao Judiciário Paraense em um curso regionalizado para atender os Tribunais da Região Norte. Os novos formadores atuarão como docentes em cursos da ESM, utilizando novas técnicas pedagógicas aprendidas durante a formação.”

Para os alunos o grande destaque é o ensino de metodologias ativas que quebram a barreira da educação tradicional, facilitando o processo de aprendizagem dos magistrados na qualidade de alunos. Para o juiz do TJPA André Filo-Creão Garcia da Fonseca, discente do curso, a experiência foi surpreendente. “Sem dúvida uma de minhas melhores experiências de ensino na magistratura, que mostra a ocorrência de uma verdadeira revolução na formação dos magistrados”.

Em entendimento similar, outro aluno do curso, o juiz Geraldo Neves Leite alega que “o curso foi excelente, com exposição de diretrizes pedagógicas e apresentação de técnicas inovadoras de aprendizagem. Representou uma quebra de paradigma na forma de aprender e ensinar.” Posicionamento também adotado pela juíza Rachel Rocha Mesquita da Costa, “o conhecimento adquirido ultrapassou a análise de aspectos teóricos e focou em metodologias ativas de forma que os futuros formadores possam construir em conjunto com os alunos magistrados as competências necessárias para solucionar as questões que se apresentarem no cotidiano da atividade da magistratura.” E, para o magistrado Líbio Araújo Moura, “além de desmitificar a visão do ser professor, mostrou um novo caminho na orientação entre magistrados e no próprio exercício profissional dos participantes”.

A ENFAM defende que os magistrados formadores utilizem a técnica de “ensinagem” com os alunos, que seria a junção de ensino com aprendizagem. Sobre o assunto o magistrado Horácio de Miranda Lobato Neto afirmou que “o curso FOFO propôs técnicas e metodologias de “ensinagem” que colocam os formandos como protagonistas de todo o processo, alinhando a teoria à prática, a fim de desenvolver as habilidades e capacidades de cada um.” E o juiz André Souza dos Anjos argumentou que “o módulo I do FOFO significou o início de uma experiência metodológica de fusão entre teorias das diversas áreas das ciências e a prática jurisdicional. Tudo isto conectado através do conceito de ensinagem.”

A formação capacitou os formadores a elaborarem planejamentos de cursos voltados ao contexto da magistratura. “Aprendemos os passos para fazer o planejamento das aulas, com a utilização dos conteúdos e recursos metodológicos cabíveis. Tudo servirá para adequação no planejamento dos novos cursos que serão ofertados pela ESM”, afirmou o juiz Amarildo José Mazutti.

Muito além das técnicas de ensino, preceitos sobre ética e humanismo na magistraura também foram pautados. “Foram abordados conceitos e princípios como humanidade, ética e interdisciplinaridade, essenciais à formação teórico-prática, com uso de metodologia que favoreça a busca por saberes prévios e que promova a participação dos alunos”, explicou a juíza Mônica Maciel Soares Fonseca.

A próxima etapa - módulo 2 - do curso será realizada na modalidade de ensino a distância nos período de 16 de abril a 23 de maio de 2018 e para a juíza Silvia Mara Bentes de Souza Costa “ a expectativa agora será em conhecer e efetivar a aplicação desses métodos no ensino à distância, que será o foco do módulo 2 no Curso de Formação de Formadores.”

A diretora do Departamento de Ensino e Pesquisa da ESM, Patrícia Kristiana Blagitz Cichovski, participou, no dia 26 de fevereiro, de reunião prévia com a equipe pedagógica da ENFAM e das demais Escolas de Magistratura da Região Norte, na EMERON. “A reunião dos coordenadores pedagógicos promoveu a interação e alinhamento das escolas da magistratura da Região Norte, permitindo a troca de experiências e a realização de parcerias”. Também aluna do formação de formadores, concluiu que “o curso qualificou os magistrados e a equipe do Departamento de Ensino e Pesquisa ao planejamento e execução de ações educativas em consonância com as mais recentes diretrizes normativas da ENFAM sobre ensino e aprendizagem no contexto da magistratura, tendo por meta o aprimoramento da prestação jurisdicional”.

Texto: Paulo Victor Corrêa

 


Veja as fotos: 

 Flickr da ESMPA

 

Voltar

 
     
 

 

 

 

 

 

Escola Superior da Magistratura do Estado do Pará

Horário de funcionamento administrativo: 8 às 18hs.
Endereço: Trav. Quintino Bocaiúva, 1404 - Nazaré. 66035-190 Belém - Pará
Telefone Geral: (91) 3110-6800

Logo